Fortaleza e Região Metropolitana têm média de 14 incêndios por dia; saiba como prevenir
Incêndio atinge instalações da Cagece (Foto: Aurélio Alves/ O Povo)

Fortaleza e Região Metropolitana têm média de 14 incêndios por dia; saiba como prevenir

Até julho, 2.962 incêndios foram contabilizados pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado
 

Fumaça decorrente do incêndio pode ser vista por moradores localizados em diversos bairros da região Foto: VC Repórter

Fogo iniciado no terreno da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) se alastrou rapidamente, atingindo casas e comércios vizinhos no bairro Pici, em Fortaleza. O incêndio ocorrido nesse domingo, 16, representa os quase 3 mil já ocorridos em Fortaleza e Região Metropolitana (RMF) em 2018, dentre diferentes causas. Até julho, 2.962 foram contabilizados pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado (CBMCE).

Conforme levantamento da entidade, a maior ocorrência de incêndio no Estado é de vegetação. Até julho, foram contabilizados 915. A segunda maior causa são as ocorrências com gases, somando 678 casos até o mesmo mês. O fogo em regiões com grande quantidade de lixo também estão entre as maiores ocorrências, com 471 casos. Incêndios em veículos contabilizaram 173 casos até julho.

De acordo com o tenente Romario Fernandes, incêndios em vegetação e áreas com aglomerado de lixo costumam acontecer em tentativas de incinerar os resíduos. “Esses dois tipo de incêndio, inclusive, se confundem porque as pessoas tentam queimar lixo em áreas de vegetação”, resume.

No âmbito de incêndios em residências e edificações, os casos somam 648. O maior número de ocorrências se concentra em residências unifamiliares, com 351. Incêndios em edificações comerciais, industriais e públicas somam 207 casos. De acordo com levantamento do CBMCE, os meses com mais casos de incêndios foram janeiro e julho, com 662 e 695 ocorrências, respectivamente.

O tenente explica que, além dos incêndios em vegetação, muitos casos estão ligados à eletricidade. “Incêndios decorrentes de causas elétrica são extremamente comuns. Existem indícios como, por exemplo, pontos de carbonização ao redor de tomadas”, exemplifica. Ele explica que, muitas vezes, o fogo é causada por “descuido”, como esquecer velas acesas.

Saiba como evitar e se prevenir em casos de incêndio

No caso de incêndio em edificações, é importante manter a regularidade de inspeção na rede elétrica. Além disso, é importante estar atento a infiltrações, principalmente em períodos chuvosos, que podem gerar curto-circuitos.

Objetos com fogo (velas) e equipamentos elétricos (ferro de passar) devem ser manuseados de forma isolada, longe de materiais combustíveis.

Em relação ao gás de cozinha, é importante estar atento a validade dos equipamentos que ficam conectados ao botijão, como a borboleta e a mangueira. Desta forma, o risco de vazamento de gás é reduzido.

O tenente Romário explica que atenuar as chamas com água pode ser efetivo, mas depende do caso. Se o incêndio tiver causa elétrica ou estiver ligado a líquidos inflamáveis (óleo de cozinha), jogar água pode agravar a situação. Em causas elétricas, é recomendado fechar a chave geral.

As queimadas, que geralmente são feitas para limpar terrenos, precisam ser bem planejadas. O tenente Romário recomenda que elas aconteçam à noite e em momentos sem vento. Além disso, é importante limitar a área a ser queimada com um aceiro, diminuindo o risco do fogo ultrapassar a margem.

Por fim, se o início da causa das chamas não for identificado, é indicado deixar a área o mais rápido possível e acionar o Corpo de Bombeiros, no número 193.

Fonte: https://www.opovo.com.br/noticias/fortaleza/2018/09/fortaleza-e-regiao-metropolitana-tem-media-de-14-incendios-por-dia-sa.html

Deixe uma resposta